quinta-feira, 11 de março de 2010

Apontar ou se santificar?

Graça e paz pessoal do blog!!

Todo mundo animado pro congresso Fogo do Avivamento? Espero que sim porque ta chegando!

Assim como me pediram, eu separei uma palavra que o Senhor colocou no meu coração pra compartilhar com vocês.

Hoje, temos vivido dias em que a igreja que mais cresce é a mais criticada. Aquela que mais tem cumprido seu papel na face da terra é a que mais sofre perseguição. E pasmem! A perseguição muitas vezes não vem da sociedade, nem de outras correntes religiosas, vem do nosso próprio arraial, do nosso próprio povo. Um povo sobre o qual o Papa uma vez declarou que “se destruiria dentro das suas próprias contendas”. Vamos deixar essa profecia se cumprir sobre as nossas vidas? Eles podem dizer que a Igreja Betesda (especialmente a juventude) tem crescido por pregar um evangelho fácil, em que “tudo pode” e a maioria das coisas “não tem nada a ver”. No entanto, nós que sabemos o tamanho do zelo que os nossos ministros têm pela Palavra, vamos continuar entendendo que a Igreja não cabe em quatro paredes, não pode estar apenas debaixo de uma única convenção eclesiástica e nem debaixo de nome, de um título. Denominação nenhuma é o epicentro da Igreja. A Igreja contra a qual as portas do inferno não podem prevalecer e o Reino de Deus são muito mais amplos do que os limites que o homem tenta colocar.

Essa grande árvore que se chama Juventude Betesda tem frutificado e florescido a cada dia. Não por que nós toleramos brincos e penteados diferentes nos rapazes ou tatuagens, mas por que nós temos amor e antes de apontar o argueiro no olho do nosso irmão, nós retiramos a trave que está no nosso. Vemos as nossas próprias limitações antes de apontar as das pessoas. Percebemos que a santidade não está no estilo musical que gostamos ou na forma como nos vestimos, mas no desejo do nosso coração de SER e não de apenas PARECER ser santo. O Reino não precisa mais de sepulcros caiados, que por fora tem uma aparência tão boa e por dentro estão fedendo a morte e podridão.

É tempo de nós nos levantarmos contra todo o sistema de coisas que se opõe a Deus. Contra a carnalidade e contra o partidarismo que teima em aparecer no meio do nosso povo. Você precisa saber que você deve ser um com o seu irmão, como o Pai em Cristo o é. Não estamos falando de ser um com o seu amigo da igreja que freqüenta a sua casa e pára com você sempre que te encontra. Eu estou falando de ser um com todos os seus irmãos em Cristo que pertencem a um mesmo corpo. Eu estou falando de ser um com aquele que você não convive, com quem você não está unido por laços de afinidade, mas sim pelo sangue de Jesus. Ser um não é uma opção nos últimos dias da Igreja na terra, é uma necessidade.

Tem visto os terremotos apenas nesse ano de 2010? Pois é... As nações literalmente estão tremendo! Por que elas estão ouvindo os passos do Leão da Tribo de Judá, saltando pelos montes, vindo buscar a Sua Igreja. Diante disso, quer um conselho? Se encha do Espírito Santo de uma forma que você não consiga mais guardar a sua porção somente pra você e sinta necessidade de fazer transbordar. Faça fluir de você rios de águas vivas e deixe Deus te usar pra impactar a sua casa, a sua turma do colégio, da faculdade, os seus colegas de trabalho e até os seus amigos íntimos com a única coisa que pode purificar a Igreja e fazê-la estar pronta para o seu encontro com o Noivo, com a única coisa que faz da sua mão um membro que abençoa ao invés de apontar, a SANTIDADE.

No amor do Senhor,

Renato Gabry

Nenhum comentário:

Postar um comentário